PRÓSERTÃO UNIÃO

O projeto funciona 3 vezes por semana, com duração de duas horas cada encontro.
O bairro onde o projeto funciona é bem precário fisicamente, sem saneamento básico, lixo pelas ruas.
De atividades especiais, fazemos um lojinha no final de cada oficina, que funciona da seguinte forma, as crianças conforme seu desempenho e cumprimento da constituição de sala vai ganhando créditos que no final soma-se os pontos e ganha um dinheirinho que vale somente na lojinha do projeto, e que pode fazer compras. Aprendendo assim a economizar, investir da melhor forma e o princípio semear e colher. Quanto mais faz as coisas com excelência mais dinheirinho ganha.
Temos também aniversariantes do mês, que todo final do mês fazemos um lanche especial com balões, bolo e vela para comemorar os aniversariantes de cada mês. Assim eles percebem o quanto cada um é especial e merece comemorar cada ano que se passa.
Fazemos ainda o passeio cultural, celebrações de datas especiais envolvendo a família e a igreja, aulas de culinária.
As escolas até que tem estrutura boa, o problema é no aprendizado das crianças. Percebo que é meio que geral a dificuldade que eles têm. Outro problema é a falta de participação dos pais na vida escolar das crianças. Creio que isso interfere diretamente no aprendizado deles. A desestrutura familiar é grande.
O projeto tem como finalidade trabalhar de forma individual com cada criança, indo de encontro com a necessidade de cada um. Um diferencial das escolas. E trabalhar de forma integral na vida da criança, físico, emocional, espiritual e intelectual, e não somente no intelectual.

Testemunho do aluno.

Mariana de 9 anos, tinha muita dificuldade de concentração, dificuldade na matemática e leitura.
Ela agora é muito participativa, aprendeu a ler fluentemente e está conseguindo interpretar muito bem o que lê e o que ensinamos a ela.
Gosta muito de estar no projeto, e o projeto ajudou muito a perder a vergonha, ter autogoverno quando não consegue fazer uma atividade, pois ficava muito chateada e desanimada.
Quer ser professora quando crescer.